Skip to content

Adjetivo

26 de julho de 2010

ADJETIVO

 É toda e qualquer palavra que, junto de um substantivo, indica qualidade, defeito, estado ou condição. Ex.:

 Homem bom, moço perverso;

Casa suja;

Moça feliz;

Velho amigo;

Nova remarcação.

FORMAÇÃO DO ADJETIVO

Simples: é formado por um único radical. Ex.:

 Usava sapato azul.

Composto: é formado por mais de um radical. Ex.:

 Usava sapato azul-marinho.

Primitivo: não provém de outra palavra. Ex.:

 Tomaram banho quente.

Derivado: provem de outra palavra (substantivo, verbo ou adjetivo). Ex.:

 Era um amigo infiel. (derivado do adjetivo fiel)

O adjetivo pode variar em gênero, número e grau:

FLEXÃO DE GÊNERO

1. UNIFORME: possui uma só forma para os dois gêneros. Ex.:

O menino feliz / A menina feliz.

2. BIFORME: possui uma forma para cada gênero. Ex.:

O menino bom / A menina boa

FLEXÃO DOS ADJETIVOS BIFORMES

a) trocam o o por a em sua terminação. Ex.:

 O rapaz ativo / a moça ativa.

1.  terminado em ês, or e u recebem a em sua terminação. Ex.:

Português / portuguesa;

sedutor / sedutora;

cru / crua.

EXCEÇÕES: hindu, cortês, pedrês, incolor, multicor, bicolor, tricolor e as formas comparativas maior, melhor, pior, superior, inferior, anterior, posterior, que são invariáveis. Destaque também o par mau / má.

2. trocam a por ã, ona e, mais raramente, por ao. Ex.:

São/sã;

Catalão/catalã;

Chorão/chorona; Beirão/ beiroa.

3. trocam eu por éia; os terminados em a, por ao. Ex.:

 Plebeu/plebéia;

ateu/atéia;

Ilhéu/ilhoa

 

4. nos substantivos compostos formados por dois adjetivos, apenas o último elemento sofre flexão; aqueles em que o segundo elemento é um substantivo são invariáveis. Ex.:

 Cidadão luso-brasileiro / Cidadã luso-brasileira.

Casco verde-escuro / Saia verde-escura.

São invariáveis:

 Tecido amarelo-ouro / Roupa amarelo-ouro;

Papel verde-mar / Tinta verde-mar.

EXCEÇÃO: Moço surdo-mudo / Moça surda-muda.

OBS.: Os adjetivos azul-marinho e azul-celeste são uniformes.

FLEXÃO DE NÚMERO

1. O adjetivo concorda em número com o substantivo a que se refere. Ex.:

 Governante capaz / Governantes capazes.

Salário digno / Salários dignos

2. Nos adjetivos compostos formados por dois adjetivos, apenas o segundo elemento vai para o plural. Ex.:

 Tratado luso-brasileiro / Tratados luso-brasileiros.

Intervenção médico-cirúrgica / Intervenções médico-cirúrgicas.

EXCEÇÃO: Rapaz surdo-mudo / Rapazes surdos-mudos.

3. Os adjetivos compostos em que o segundo elemento é um substantivo são invariáveis. Ex.:

 Recipiente verde-mar / Recipientes verde-mar

Uniforme amarelo-canário / Uniformes amarelo-canário.

 

Também são invariáveis azul-marinho e azul-celeste.

Ex.:

Camisa azul-marinho / Camisas azul-marinho.

Camiseta azul-celeste / Camisetas azul-celeste.

OBS.: Os adjetivos compostos podem ser divididos em três tipos:

a) os que são formados por dois adjetivos como verde- escuro — nesses casos, é o segundo elemento que varia para indicar gênero e número (verde-escura, verde-escuros, verde-escuras).

b) os que apresentam como segundo elemento um substantivo, como amarelo-ouro —- adjetivos desse tipo são invariáveis em gênero e número.

c) os que indicam cores e são formados pela expressão    cor-de + substantivo — adjetivos desse tipo são invariáveis, mesmo quando a expressão cor de estiver subentendida (papel cor-de-rosa, papéis cor-de-rosa; giz [cor de] laranja; gizes [cor de] laranja).

FLEXÃO DE GRAU

COMPARATIVO: Nesse grau, compara-se a mesma característica atribuída a dois ou mais seres ou duas ou mais características atribuídas ao mesmo ser. O comparativo pode ser de igualdade, de superioridade ou de inferioridade, e é formado por estruturas analíticas que participam advérbios e conjunções. Ex.:

Comparativo de igualdade

 Ele é tão exigente quanto justo.

Ele é tão exigente quanto (ou como) seu irmão.

Comparativo de superioridade

 Estamos mais atentos (do) que eles.

Estamos mais atentos (do) que ansiosos.

Comparativo de inferioridade

 Somos menos passivos (do) que eles.

Somos menos passivos (do) que tolerantes.

Os adjetivos bom, mau, grande e pequeno têm formas sintéticas para o grau comparativo de superioridade: melhor, pior, maior e menor. Ex.:

Essa solução é melhor (do) que a outra.

Minha voz é pior (do) que a sua.

O descaso pela miséria é maior (do) que o senso humanitário.

A preocupação social é menor (do) que a ambição individual.

As formas analíticas correspondentes (mais bom, mais mal, mais grande, mais pequeno) só devem ser usadas quando se comparam duas características de um mesmo ser. Ex.:

Ele é mais bom (do) que inteligente.

Todo corrupto é mais mau (do) que esperto.

Meu salário é mais pequeno (do) que justo.

Este país é mais grande (do) que equilibrado.

SUPERLATIVO: Nesse grau, a característica atribuída pelo adjetivo é intensificada de forma relativa ou absoluta.

 No grau superlativo relativo, essa intensificação é feita em relação a todos os demais seres de um conjunto que a possuem. Os superlativos relativos podem exprimir superioridade ou inferioridade e é sempre expresso de forma analítica. Ex.:

Superlativo relativo de superioridade

 Ele é o mais atento de todos.

Ele é o mais exigente de todos os irmãos.

Superlativo relativo de inferioridade

 Você é o menos crítico de todos.

Você é o menos passivo de todos amigos.

 

 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES

1. As formas do superlativo relativo de superioridade dos adjetivos bom, mau, grande e pequeno também são sintéticas: o melhor, o pior, o maior, e o menor.

2. No grau superlativo absoluto, intensifica-se a características atribuída pelo adjetivo a um determinado ser, transmitindo idéia de excesso. O superlativo absoluto pode ser analítico ou sintético.

3. O superlativo absoluto analítico é formado com a participação de um advérbio. Ex::

 Você é muito crítico.

Ele é demasiadamente exigente.

Somos excessivamente tolerantes.

4. O superlativo absoluto sintético é expresso com a participação de sufixos. O mais comum deles é –íssimo; nos adjetivos terminados em vogal, esta desaparece ao ser acrescentado o sufixo do superlativo. Ex.:

 Trata-se de um artista originalíssimo

Ele é exigentíssimo

5. Os adjetivos terminados em io não precedido de e forma o superlativo absoluto sintético em iíssimo. Ex:

 Sério / Seriíssimo.

Necessário / Necessariíssimo

Mas,

Feio/feíssimo; cheio / cheíssimo

Formas do superlativo absoluto sintético dignas de nota

Adjetivo Superlativo absoluto sintético
acre

ágil

agradável

agudo

alto

amargo

amável

amigo

antigo

áspero

atroz

audaz

benéfico

benévolo

bom

capaz

célebre

cruel

difícil

doce

eficaz

fácil

feliz

feroz

fiel

frágil

frio

geral

grande

humilde

incrível

infame

inimigo

jovem

livre

magnífico

magro

manso

mau

miserável

miúdo

negro

nobre

notável

pequeno

perspicaz

pessoal

pobre

possível

pródigo

próspero

provável

público

pudico

pulcro

rústico

sábio

sagrado

salubre

sensível

simpático

simples

soberbo

tenaz

tenro

terrível

veloz

visível

volúvel

voraz

vulnerável

acérrimo

agílimo

agradabilíssimo

acutíssimo

altíssimo, supremo

amaríssimo

amabilíssimo

amicíssimo

antiqüíssimo

aspérrimo

atrocíssimo

audacíssimo

beneficentíssimo benevolentíssimo

boníssimo, ótimo capacíssimo capacíssimo

celebérrimo

crudelíssimo

dificílimo

dulcíssimo

eficacíssimo

facílimo

felicíssimo

ferocíssimo

fidelíssimo

fragílimo

frigidíssimo, friíssimo

generalíssimo

máximo

humílimo

incredibilíssimo

infamérrimo

inimicíssimo

juvenilíssimo

libérrimo

magnificentíssimo

macérrimo, magríssimo

mansuetíssimo

péssimo

miserabilíssimo

minutíssimo

nigérrimo, negríssimo nobilíssimo

notabilíssimo

mínimo

perspicacíssimo

personalíssimo

paupérrimo, pobríssimo

possibilíssimo

prodigalíssimo

prospérrimo

probabilíssimo

publicíssimo

pudicíssimo

pulquérrimo

rusticíssimo

sapientíssimo

sacratíssimo

salubérrimo

sensibilíssimo

simpaticíssimo

simplíssimo, simplicíssimo

superbíssimo

tenacíssimo

teneríssimo

terribilíssimo

velocíssimo

visibilíssimo

volubilíssimo

voracíssimo

vulnerabilíssimo

 

EMPREGO DO ADJETIVO

 1. Superior e inferior — não admitem, na norma culta, a anteposição de mais ou menos (mais superior, menos inferior). Mais ruim e menos ruim, porém, são combinações boas.

 2. Mais pequeno — é forma boa em qualquer circunstância; mais grande só se usa na comparação de qualidade de um mesmo ser. Ex.:

 Luís é mais grande que forte.

Elisabete é mais grande que pequena.

3. Também se usam mais bom e mais mau quando se comparam qualidades de um mesmo ser. Ex.:

 Luís é mais bom que ingênuo.

Elisabete é maisque boa.

4. É comum usar-se o adjetivo com valor de substantivo. Para tanto, basta fazê-lo anteceder de um artigo. Ex.:

 O brasileiro é um apaixonado do futebol.

From → Gramática

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: